A importância de se fazer perguntas sobre o que as crianças estão lendo

 

 

Pixabay

 

Praticar a leitura desde cedo é fundamental para o desenvolvimento da imaginação e um bom funcionamento da memória, além de ser a melhor forma de se adquirir conhecimento. Aí a razão de se encorajar as crianças a conquistarem esse hábito o quanto antes.

 

Mas, para aprimorar a capacidade interpretativa de seus filhos, não basta somente incentivar a leitura. Os pais também podem – e devem – participar desse processo! Fazer perguntas sobre o que as crianças estão lendo é uma excelente forma de atiçar a curiosidade e criar espaço para que elas formem suas próprias opiniões.

 

Por isso, quando seu filho estiver lendo uma história infantil, sempre questione sobre os eventos ocorridos, discuta fatos para ampliar o seu vocabulário e dê auxilio para ajudá-lo a pensar e entender fundamentos da narrativa - muitas vezes eles não são tão óbvios assim para os leitores principiantes!

 

Além disso, essa também é uma ótima maneira de ajudar os pais a conversarem sobre questões do cotidiano das crianças. As histórias infantis, sejam elas impressas ou digitais, abrem portas para mundo mágicos, mas que trazem elementos, situações e emoções do mundo real.

 

O aplicativo Timokids, por exemplo, possui conteúdos revisados por psicólogos e pedagogos e que tratam de temas como bullying e convívio social, entre outros, que ajudam as crianças a lidar com conflitos do seu dia a dia – e os pais a conversar com os filhos sobre eles.

 

Estudos mostram que a capacidade dos pequenos em compreender o que leram pode ser trabalhada com perguntas de três tipos: questões literais, questões de inferência e questões avaliativas. Quanto maior a complexidade da pergunta, mais incentivo linguístico e compreensão da história infantil a criança vai ter.

 

Veja abaixo como formular perguntas sobre o que o seu filho está lendo:

 

  • Questões literais

 

Essas são as perguntas simples e diretas, que obrigam a criança a reformular a história de sua maneira e com suas próprias palavras.  Por exemplo: “Qual o nome do personagem principal?”, “O que aconteceu com ele depois que ele saiu de casa?” ,“O que ele encontrou no caminho?”. Você pode pedir também que faça comparações, como: “Quem era o mais corajoso dos dois meninos?”. Assim a criança pode engajar em uma discussão mais aprofundada. 

 

  • Questões de inferência

 

Esse é um bom jeito das crianças aprenderem a “ler nas entrelinhas”, ou seja, acessar informação que não foi passada diretamente, mas estava implícita na história infantil. Perguntas do tipo “Por que acha que o menino fugiu de casa?” ou “Como você acha que o menino se sentiu depois que achou o caminho de volta?” ajudam a criança encontrar a moral da história.

 

  • Questões avaliativas

 

Já as questões avaliativas levam a criança a fazer associações com experiências pessoais. Neste estilo de pergunta, a criança deve seguir um aspecto da história, como evento principal ou caráter do personagem. Por exemplo: “Você acha que os dois meninos eram muito diferentes?” ou “Você acha que o menino deveria ter fugido da situação?”. Esses tipos de perguntas estimulam a criança a criar base para fazer julgamentos de acordo com seus próprios sentimentos.