Você que tem filho pequeno já deve ter percebido que as crianças de hoje praticamente nascem sabendo mexer no celular, tablet e computador. A internet nasceu cerca de 25 anos atrás, e desde então passou a fazer parte da nossa vida cotidiana. A grande maior parte dos adolescentes, e também muitos jovens e adultos, não se lembram ou não conseguem nem mesmo imaginar como era a vida antes do surgimento da internet. Mas você provavelmente já ouviu seus pais ou avós reclamando da velocidade do mundo de hoje e como, no tempo deles, tudo era mais tranquilo e melhor.

Nós vivemos grande parte da nossa vida hoje no mundo virtual, seja para enviar e-mail de trabalho, conversar com amigos, buscar informações, assistir a programas, vídeos e séries, encontrar pessoas da infância ou completos desconhecidos. Fazemos praticamente tudo conectados a estas máquinas, e, copiando nossos hábitos e atividades, as crianças de hoje estão ainda mais conectados a esta rede.

Seja fazendo pesquisas escolares, jogando, conversando, vendo filmes e desenhos ou apenas navegando em sites interessantes, a grande maioria das crianças de hoje sabem mexer num celular ou tablet com muito mais destreza e rapidez do que a grande maior parte dos adultos. A velocidade com que as crianças aprender a mexer nestes aparelhos é incrível, e você provavelmente já pediu ajuda para entender como mexer em alguma coisa no seu aparelho celular.

Se, por um lado, essa rapidez em aprender e acompanhar as novas tecnologias é necessária para quem vive nessa era digital, por outro lado é também necessário entender os problemas que podem surgir com este comportamento. O desenvolvimento emocional, social e até mesmo motor da criança pode ser prejudicado pelo excesso do uso do celular ou tablet, principalmente por crianças até 3 anos.

Estudos indicam que crianças e adolescentes que passam a maior parte do tempo na frente do computador ou celular podem desenvolver problemas de socialização, terem dificuldades em tarefas básicas como escrever e amarrar os sapatos, terem problemas de déficit de atenção e hiperatividade além de serem mais propensas à obesidade infantil.

A imersão ao mundo digital proporciona uma interação em tempo real com qualquer pessoa ao redor do mundo, possibilitando o compartilhamento de experiências, culturas e costumes de forma rápida e completa. Mas é necessário tomar cuidado, não só no que diz respeito à segurança digital, mas também quanto às informações disponíveis na rede, já que a imersão ao mundo digital também permite que você se depare com informações errôneas e pessoas desonestas.

O cuidado com onde você e seu filho navegam é muito importante, não só na busca de proteção contra crimes digitais, mas também na exposição de seu filho a conteúdos impróprios para a idade dele e do tipo de interação dele com o mundo virtual e com as outras pessoas.

É comum ver, hoje em dia, crianças pequenas com celular ou tablet na mão. Estes objetos são muitas vezes utilizados como forma de acalmar a criança ou de entretê-la por algum tempo para que os pais possam trabalhar, arrumar a casa ou fazer alguma outra atividade. E, enquanto pequenas doses de tecnologia (principalmente no caso de crianças com menos de 3 anos) não é um problema, permitir que uma criança passe todo o seu tempo livre conectado de alguma forma com esse mundo digital e virtual é prejudicial ao seu desenvolvimento mental, social e emocional.

Assim como a televisão (tema do blog da semana passada), o uso excessivo do celular, tablet ou computador, principalmente por crianças pequenas, pode prejudicar o desenvolvimento motor, uma vez que elas passam a maior parte do tempo paradas com o celular, o que causa um atraso dos grandes marcos da infância, como dar os primeiros passos ou dizer as primeiras palavras.

A interação, desde muito cedo, com o mundo virtual também prejudica as interações com as pessoas no mundo real, já que as crianças imitam aquilo que veem, e quando colocadas em uma situação onde precisam interagir com outras crianças ou outros adultos, não sabem como reagir, podendo agir de forma violenta ou se recusando a interagir com elas.

Existem muitos jogos, aplicativos e atividades educacionais que podem e devem ser utilizados, sempre cuidando para que estas atividades sejam adequadas para cada faixa etária. Estes jogos e aplicativos ajudam a estimular a imaginação e no ensino de cores, números, letras, problemas matemáticos etc. Mas é sempre necessário o acompanhamento dos pais, que devem complementar o aprendizado e verificar se a criança está absorvendo corretamente o conteúdo das atividades.  

A responsabilidade também entra em questão. Até que ponto uma criança de 4 ou 8 anos realmente precisa ou é suficientemente responsável para ter e utilizar um celular por conta própria? Em geral, estas crianças estão utilizando o celular de um dos pais ou responsáveis, mas o numero de celulares comprados para criança cresce todos os dias, o que não só possibilita o uso irresponsável e não acompanhado do celular ou tablet como também pode criar situações de estresse para pais e filhos em caso de perda ou até mesmo roubo do aparelho.

O cuidado em acompanhar as atividades do seu filho, responder as perguntas que podem surgir e administrar o tempo gasto com o celular é o mais importante. Não permita que seu filho fique horas intermináveis com o celular na mão, estimule atividades que não utilizam o celular e use do bom senso para saber quando é apropriado que seu filho tenha um celular e qual uso ele pode fazer deste aparelho.

A Be Little quer ajudar você a cuidar do seu filho com amor e carinho. Nossas roupinhas são feitas pensando no conforto e na praticidade. Nossos macacões e conjuntos são feitos em tecido macio e cheio de charme, fáceis de vestir e de trocar.

Baixe também nosso aplicativo na AppStore ou Google Play, procure por belittle para instalar e fique por dentro de todas as nossas promoções e novidades.